Solenidade da Assunção da Virgem Santa Maria

Atualizado em 20/08/23 às 00:0012 minutos de leitura239 views


Neste domingo, dia 20, na Diocese de Campina Grande o dia foi bastante intenso, com a abertura dos Jogos da Juventude pela manhã; mais paróquias peregrinaram à Catedral para receberem a Indulgências Plenárias, foram as Paróquias de Nossa Senhora de Fátima, do bairro da Palmeira, que realizou uma bonita procissão conduzida pelo Pároco Padre Haroldo e o Diácono Cláudio, e a Paróquia de Jesus Libertador, do bairro das Malvinas que veio motivada pelo Pároco, Padre Phérikllys e o Diácono Valter. 

À tarde a Diocese promoveu a Caminhada das Famílias, evento que marcou o encerramento da Semana Nacional das Famílias. A Caminhada reuniu centenas de fiéis que saíram da Igreja Matriz de São José, no bairro do José Pinheiro e dirigiram-se em procissão à Catedral, também para receberem as Indulgências.

Homilia

Na homilia pregada pela manhã aos fiéis peregrinos que foram à catedral, Dom Dulcênio, ao falar da grandeza de Nossa Senhora, explicou que Maria é clarão da beleza de Deus. E se a reconhecemos assim, como o próprio Deus a reconheceu, olhando para a pequenez de Sua serva, é porque, pela fé, somos sensíveis e nos admiramos com a beleza de Deus em Maria.

“Ver Deus, contemplar a Sua beleza, contemplando-a em Maria, a mais perfeita dentre todas as criaturas, é sinal da nossa inocência, que não perdeu a nossa capacidade de admiração. Esta inocência, que independe de idade cronológica, sempre é viva e fresca. Esta inocência surpreende-nos em cada vez que contemplamos Maria, tal como nunca nos acostumamos diante dos cuidados de nossa mãe biológica, porque nos acalma e sempre nos é uma novidade; sempre é irrepetido por mais constante e repetitivo que seja”.

Aprofundando o tema sobre o dogma da Assunção de Maria, Dom Dulcênio ensinou que Nossa Senhora foi eleita por Deus como arca incorruptível para a morada divina, trazendo no seu coração e no seu ventre imaculados o Verbo encarnado. “Uma arca singularmente adornada. É, pois, por ela, que Deus deseja nos livrar da corrupção do pecado. Olhando para ela, não quereremos desvirtuar o nosso olhar para o que nos constrange, para o que nos engana, nos equivocando, pelo pecado, para uma vida errônea”, pregou.

Concluiu sua homilia matinal apontando que Deus cumulou a Sua beleza em uma só criatura, e esta é Maria, na qual reside toda a plenitude do bem e da graça. “Contemplar Maria é alegrar-nos. Imitar Maria é embelezá-la ainda mais com as joias de nossa vida desejosa do Reinado do Senhor, da Sua glória. Embelezar Maria é trazer a alegria de sermos filhos devotados ao seu coração materno. Contemplemos e embelezemos Maria!”, pontuou.

À tarde, ao acolher às famílias que vieram em peregrinação, o bispo disse que Celebrar o Dogma da Assunção é entender que a Igreja contempla a inseparável relação da Virgem Maria com Cristo, morto e ressuscitado e, ao mesmo tempo, com o povo de Deus peregrino na história, e que de Cristo é o corpo vivo.

“Ao celebrarmos o mistério da Ressurreição e Ascensão de Jesus Cristo junto ao Pai, já realizado plenamente em Maria, Mãe de Deus e mãe nossa, junto com a Igreja vislumbramos nela a meta do nosso caminho, vivenciado ainda através das provações do deserto da história, fortalecidos, porém, pela esperança da vitória final sobre os sofrimentos e a morte; vitória esta que já resplandece na história e no rosto de Maria Assunta”, disse.

E continuou: “Maria, por primeiro, foi assunta por graça ao céu em alma e corpo, na integridade da sua pessoa, superando os laços da morte, no exemplo e em solidariedade a seu filho, Jesus ressuscitado.  Ela nos antecipou ao chegar à meta; tornou-se, de tal modo, sinal certo do caminho a percorrer e do objetivo a alcançar que nos é prometido por graça”.

Lucas, no evangelho deste domingo, descreve a visita de Maria à sua prima Isabel nos mesmos termos de festa e alegria com os quais a arca de Deus foi acolhida por parte do rei Davi na cidade de Jerusalém, que se torna daquele momento em diante a “cidade santa”; assim ensinou que Maria é a verdadeira arca da aliança enquanto, depois de ter recebido na fé e gerado na carne o filho de Deus.

“A igreja celebra a Virgem Maria como a “Mãe de Deus” e do seu unigênito Jesus Cristo, por ter dado ao Verbo de Deus sua própria carne. Hoje aquela mesma carne é glorificada e acolhida na plenitude da vida de Deus. Quando confessamos na fé que Maria foi Assunta junto de Deus em alma e corpo, falamos da integridade da sua pessoa, com todos seus sentimentos e sua existência humana de mulher. Ela viveu deixando-se guiar em plena obediência e liberdade de amor pelo Espírito, que a tornou fecunda da vida mesma de Deus”.

Palavras do Padre João Paulo na Missa da tarde

O Padre João Paulo, Coordenador do Setor Vida e Família da Diocese, agradeceu a todos pelo empenho e pela bonita manifestação de fé que foi realizada na tarde deste domingo, 20, com a realização da Caminhada das Famílias; também agradeceu ao Bispo pela motivação e pelo incentivo. Por fim destacou que as famílias e todo o povo católico precisa levantar a bandeira da vida, em toda e qualquer circunstância, dizendo não a descriminalização do aborto.

Por: Ascom
Fotos: Pascom de Fátima e Jesus Libertador e João Neto (Setor Diocesano de fotos) 

Imagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notícia


Imagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notícia

Imagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notícia


Fotos da Crisma realizada na Paróquia de Nossa Senhora da Conceição, em Galante, enviadas por Érika Maria - pascom paroquial:

Comentários (0)