Na Solenidade de Cristo Rei do Universo, Bispo celebra em duas paróquias de Campina Grande

Postado em 20/11/22 às 22:088 minutos de leitura434 views


Neste domingo (20), a Igreja celebrou a Solenidade de Cristo Rei do Universo, e o Bispo Diocesano de Campina Grande, Dom Dulcênio Fontes de Matos, esteve em duas paróquias celebrando a solenidade e as respectivas festas de padroeiro.

A primeira comunidade paroquial que acolheu o bispo e seus seminaristas foi a Paróquia do Sagrado Coração de Jesus e Imaculada Coração de Maria, no bairro do Monte Castelo, que esteve celebrou as festividades do Sagrado Coração de Jesus, co-padroeiro. Nesta paróquia, o bispo realizou a Crisma de 15 adultos, dos quais 7, fizeram a primeira Comunhão.

A segunda paróquia que recebeu a visita do Bispo, foi a Paróquia do Sagrado Coração Jesus, no bairro do Catolé, a onde o bispo presidiu a missa de encerramento da festa em honra ao Sagrado Coração de Jesus e Cristo Rei do Universo.

Nesta celebração, no Santuário, estiveram presentes dezenas de fiéis do Apostolado da Oração, que realizaram o Encontro Diocesano  em uma escola próxima ao Santuário e concluíram com procissão e participação na missa presidida pelo bispo.

Homilia

Na reflexão dominical, Dom Dulcênio começou sua pregação afirmando que o Reinado de Jesus não se equipara aos reinados humanos, mas segue uma outra lógica totalmente diferente, sendo um reinado de amor eterno, que se traduziu na crucifixão.

“Na Sua Cruz, Cristo, o Cordeiro imolado, manifestou, extremamente, o Seu poder, a divindade, a sabedoria, a força e a honra. Por isso que, ao Cristo Rei, extenuado, sobretudo, ao Coração, rendemos “glória e poder através dos séculos”. Com a Sua Cruz, o Cristo consuma o Seu Reinado, ainda que não o vejamos plenamente”, disse.

Ao explicar o reinado de Jesus, o bispo disse que Jesus é rei por restaurar todas as coisas em si, libertando o gênero humano da escravidão do pecado; disse ainda que Jesus é um Rei compassivo, clemente, que se lembra de seus filhos inserindo-os na glória, representada pela ideia de paraíso.

“Qual a natureza do Reino de Cristo senão a do amor?”, questionou o prelado, e respondeu: “O Reino de Deus é diferente. É, conforme disse o Apóstolo Paulo, um reino de “justiça, paz e alegria no Espírito Santo, e não de comida, bebida ou estruturas e conveniências mundanas e sociais enfim. Este mesmo Espírito, porque é de Cristo, conduz-nos, apascenta-nos, porque o Reino consiste em sermos, como rebanho, congregados diante do Cristo, que, reunindo o que é Seu, submeter-nos-á ao Pai, entregando tudo a Ele”, ensinou.

Por fim, explicou que o Reino de Jesus, já é uma realidade vislumbrada na Igreja, assembleia santa, manifestado nas graças sacramentais, que misteriosamente caminha neste mundo resplandecendo o céu. “Eis o Reino da reconciliação e da paz, para o qual, simultânea e misticamente, rumamos – alegres, felizes – ao encontro e, dele, já participamos, percebendo e vivendo os frutos da sua realidade, ao que não cessamos de ansiá-lo para plena posse: venha o Teu Reino! Ao Cristo, que reina gloriosamente na Sua Cruz, toda honra, glória e poder pelos séculos dos séculos. Amém”, concluiu.

Por: Ascom
Com informações e fotos: Pascom de Monte Castelo e Pascom do Santuário. 

Imagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notícia



Imagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notícia

Comentários (0)