Paróquia de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, na Catingueira, completa 5 anos de criação

Atualizado em 28/06/24 às 00:4610 minutos de leitura125 views


A Paróquia de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, localizada no bairro da Catingueira, completou hoje, dia 27, cinco anos desde sua criação. A paróquia foi estabelecida por Dom Dulcênio, Bispo Diocesano de Campina Grande, que esteve presente na comunidade para celebrar este momento festivo durante o Tríduo comemorativo organizado pela própria comunidade paroquial.

A Missa em Ação de Graças que marcou essa celebração foi realizada nesta quinta-feira à noite, reunindo um grande número de fiéis na Matriz, com destaque para a investidura de 18 Ministros extraordinários da Sagrada Comunhão, sendo 7 renovados e 11 novos ministros. O Pároco, Padre Rogério Epifânio, expressou sua gratidão a Deus pela comunidade e também pela presença do bispo, dos seminaristas e de todos os fiéis que contribuem para tornar a paróquia cada vez mais vibrante. Presente também nesta Missa auxiliando o Bispo esteve o Diácono Paulo Weidson.

Dom Dulcênio, Bispo Diocesano de Campina Grande, compartilhou sua alegria por presidir a missa em ação de graças pelos cinco anos da querida Paróquia dedicada à Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. Ele destacou as muitas graças e bênçãos que foram derramadas sobre a amada comunidade da Catingueira ao longo desses anos.

Homilia

A homilia de Dom Dulcênio nesta missa é um chamado profundo à vivência autêntica da fé cristã. O Bispo começa falando da leitura do Livro de 2º Reis que narra o episódio da invasão Babilônica a Israel como um exemplo histórico da consequência da infidelidade do povo escolhido à Aliança com Deus. Ele enfatiza que não basta professar a fé verbalmente; é crucial viver os ensinamentos divinos com autenticidade.

“Alguém poderia dizer, isso foi castigo de Deus, não, não se trata de castigo, mas foi o resultado de escolhas erradas, de procedimento que não eram bons. Muitas vezes confundimos os resultados de nossas ações com bençãos ou maldições envidas por Deus. Deus não é carrasco, não é vingativo, Ele sempre age em nossa vida, nos mostra o caminho certo, mas nos dá o livre-arbítrio para escolher o que queremos. Colhemos o que plantamos e, geralmente, colhemos em dobro. Como diz o proverbio popular: “Quem semeia vento colhe tempestade”. Depois não adianta pôr a culpa em Deus”, pregou.

Ao explicar o Evangelho de Mateus 7, 21-29, Dom Dulcênio destacou que Jesus ensina não apenas com autoridade, mas também com a expectativa de que seus seguidores pratiquem seus ensinamentos. Ele adverte contra o perigo de ser apenas ouvinte da Palavra de Deus sem colocá-la em prática, comparando aqueles que fazem isso a construtores que edificam suas vidas sobre a areia.

“Não basta ouvir a Palavra e estar de acordo com elas. Infelizmente esta é a atitude de muitos cristãos que arruínam suas vidas nos tempos de crise, por serem apenas ouvintes mas não seguidores de Deus. É preciso seguir os passos de Jesus, não basta só conhecer, é preciso viver a Palavra. A fé é um compromisso vital, que compromete toda vida, todos os ambientes da vida, tudo que faz com que a vida seja nossa vida e que abrange tudo aquilo no qual nós devemos injetar nossa vida”, pregou.

Também exortou a comunidade paroquial a não se contentar com atividades espirituais e formação teórica, mas a transformar essas experiências em ações concretas de fé e serviço ao próximo. Ele questiona se os líderes e membros da paróquia estão verdadeiramente vivendo de acordo com o que Deus espera deles.

“Como paroquianos, observem e analisem suas vidas como comunidade eclesial e paroquial; talvez esteja cheia do Senhor, mas “exteriormente” vocês não têm medo de que também se possa referir a você a terrível negativa de Cristo: Não os conheço? Quem escuta a palavra de Deus, mas não a põe em prática, não a vive, edifica sobre a areia”.

Um pouco da história

A Igreja de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, foi fundada em 1983, e ao longo desses 41 anos de vida pastoral, exerce um papel importante naquela localidade. De início a comunidade pertenceu à Paróquia das Graças, em seguida, durante muito tempo, foi administrada pelos Conêgos Lateranenses. Em 2017, no bispado de Dom Manoel Delson, a comunidade se tornou Área pastoral, passando a ser administrada por padres diocesanos. E em 27/06/2019, Dom Dulcênio erigiu canonicamente a Paróquia.

Hoje, a Paróquia é formada por 5 comunidades, sendo elas: a Igreja Matriz, situada no Bairro da Catingueira; a Comunidade Santo Antônio, no Bairro Catolé de Zé Ferreira; a Comunidade de N. Sra Virgem dos Pobres, no Bairro das Cidades; a Comunidade Santa Luzia, em construção no Conjunto Habitacional Acácio Figueiredo; com a construção do Conjunto Altos de Campina, foi doado um terreno para a construção da Capela de São José.

Com sua sede na Catingueira, a Paróquia abrange os bairros de Catolé de Zé Ferreira, Bairro das Cidades, os conjuntos habitacionais, Acácio Figueiredo, Colinas do Oeste, Altos de Campina, Pedro Gondim, Raimundo Suassuna e os condomínios Major Veneziano I, II, III e IV, estimando em média 50 mil habitantes.

Por: Ascom, com informações Pascom Paroquial
Fotos: João Neto (Pascom Diocesana) 

Imagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notícia

Comentários (0)