Na Solenidade da Ascensão, Dom Dulcênio realiza Crisma em duas paróquias

Atualizado em 12/05/24 às 21:177 minutos de leitura109 views


“Os céus de Cristo são também nossos”, este foi o tema da pregação do Bispo Diocesano de Campina Grande, Dom Dulcênio Fontes de Matos, ao presidir Missa e Crisma em duas paróquias nesse final de semana durante a Solenidade da Ascensão do Senhor. A primeira celebração aconteceu na do sábado, 11, Paróquia de São José, no Distrito de São José da Mata, onde o bispo crismou 166 jovens e adultos, nesta ocasião, o Dom Dulcênio foi acolhido pelo Pároco local, Padre Lúcio, A segunda celebração aconteceu na Paróquia de Nossa Senhora do Livramento, em Umbuzeiro-PB, na tarde deste domingo, quando crismou 240 jovens e adultos; o prelado foi acolhido pelo Padre José Marcos que agradeceu a presença do Pastor Diocesano. 

Em sua homilia preparada para estes dois momentos, o Senhor bispo conduziu os fiéis católicos a uma profunda reflexão sobre o significado da Ascensão do Senhor e sua relevância para nós como cristãos. Ele destacou que Ascensão significou não é apenas o término da presença física de Jesus entre nós, mas também o início de uma nova fase, onde Cristo exerce seu papel como mediador entre Deus e os homens de uma forma ainda mais plena.

“Vemos, nos discípulos, a Igreja nascente que recebe do seu Senhor e Esposo a doutrina que deverá fielmente guardar e com solicitude anunciar. Somente já dadas as últimas instruções àqueles que iriam continuar a obra do Reino e prometendo-lhes o Espírito Paráclito (At 1,8), é que Jesus sobe aos céus, manifestando a glória recebida desde a Ressurreição, até então velada sob os traços de uma humanidade comum, embora com um corpo dotado de propriedades novas e sobrenaturais (CIC 660). Com a Ascensão, Jesus não Se retira, mas o poder de Deus, o Seu próprio poder (por isso ser ascensão e não assunção) O introduz na habitação divinal”, instruiu.

Dom Dulcênio ensinou que o Reino de Cristo não é algo distante, mas algo que se manifesta aqui e agora, é o Já e o ainda não, através da vivência da graça e da intimidade com Deus em nossas vidas diárias. Ele lembrou que o céu não é apenas um destino futuro, mas também uma realidade presente para aqueles que vivem na graça e na comunhão com Deus.

“O que o Senhor nos prometeu há de realizar-se; é-nos uma garantia: com Ele reinaremos no céu. Mas o que é o céu? Não é um lugar físico preparado por Jesus para nós, mas um estado de graça plenificado, uma íntima união com Deus. No entanto, engana-se quem pensa que o céu é uma realidade póstuma. Não! Ela pode e seu antegozo deve iniciar-se cotidianamente na vida daqueles que se propõem a uma vida de intimidade com Deus. Quem assim vive, faz o “céu na terra”, pois vive na graça, não obstante as inúmeras dificuldades que possam se abater; e os sacramentos são os meios ordinários de possuirmos em nossa existência este estado de gozo antecipado que denominamos céu”, pregou.

Por fim falou sobre a missão da Igreja, como continuadora do Reino de Cristo, pedindo aos fiéis que não sejam passivos, mas sim ativos na promoção do amor e da justiça neste mundo. É um chamado para que, com os pés no chão e o coração voltado para o Alto, trabalhemos para construir um mundo mais justo e fraterno, preparando-nos para a volta gloriosa de Cristo.

“No Cristo gloriosamente reinante, encontramos a razão do nosso ser e temos a certeza de que a Igreja continua, sob impulso do Espírito Santo, a missão do Reino de Cristo. Como cristãos, inseridos no mundo, não devemos “ficar com a cara pra cima”, como reza o dito popular, esperando Jesus voltar, como que passivos e embasbacados. Mas, com o coração para o Alto e os pés no chão, devemos promover o Reino de Cristo: eis a missão da Igreja e, por ser dela, é também nossa”, findou.

Por: Ascom
Fotos: Pascons Paroquiais

Imagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notícia




Imagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notícia

Imagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notícia

Comentários (0)