Missa dos Santos Óleos: “A Igreja precisa de padres, PADRES santos”, disse o Bispo

Postado em 28/03/24 às 12:519 minutos de leitura76 views


A Missa dos Santos Óleos, também conhecida como Missa Crismal, é uma cerimônia significativa na vida da Igreja Católica. Na Diocese de Campina Grande, foi realizada na manhã desta Quinta-feira Santa (28), ocasião que reuniu o clero em torno do Bispo Diocesano Dom Dulcênio Fontes de Matos; presentes também seminaristas, religiosos e o povo de Deus.

Durante essa celebração, os óleos sacramentais - o óleo do Crisma, o óleo dos catecúmenos e o óleo dos enfermos – foram abençoados pelo bispo diocesano. Além da bênção dos óleos, esta bonita celebração inclui a renovação dos votos sacerdotais feito pelos padres, um momento de reafirmação do compromisso com o serviço à Igreja e ao povo de Deus.

Homilia

Em sua homilia, Dom Dulcênio saudou os clérigos, os seminaristas, os religiosos, todo o povo de Deus e lembrou, de forma especial aos sacerdotes que a celebração em torno do bispo, revela, sobremaneira, a figura do sacerdote católico no dia comemorativo de sua instituição divina.

A pregação foi uma reflexão profunda sobre o sacerdócio católico e a importância da fé, amor e sacrifício na vida dos padres. O bispo destacou a interconexão entre o sacerdócio e a Eucaristia, destacando a relevância do serviço pastoral dos padres em diferentes contextos sociais.

“Estas duas palavras são: Sacerdócio e Eucaristia. Compreendemos a reciprocidade teológica que as aproxima. Os dois conceitos se entrelaçam no Altar do Santo Sacrifício Eucarístico e na pessoa de Cristo, Redentor e Sacerdote”, disse.

Ao prosseguir com a sua pregação, enfatizou a necessidade dos padres manterem sua santidade e compromisso com a causa do Reino, mesmo diante dos desafios da vida moderna e das tentações ideológicas. Dom Dulcênio ressalta que os padres devem ser homens de Deus, dedicados à sua vocação, independentemente das circunstâncias externas.

“É sempre de muita importância refletir sobre o sacerdócio católico, sobretudo em nossos dias. Pode considerar-se o Sacerdócio de vários modos. Seja apresentando o exemplo de tantos padres, que antes de nós, no mar da vida, formam uma esteira admirável do apostolado e uma imagem aproximativa do modelo do Sumo e Eterno Sacerdote, Jesus. seja, por outro lado, considerando a figura e a ação do Padre, hoje, nos diversos campos específicos de pastoral. Padres que, incansavelmente, lutam pastoralmente pelos abandonados da sociedade”, pregou.

Além disso, o prelado destacou a importância dos seminários como locais de formação para uma vida de santidade e serviço. Também pontuou a centralidade da fé e do amor na vocação sacerdotal, enfatizando a necessidade de os padres serem exemplos vivos do amor de Deus para com seu povo.

“Outro aspecto, de acentuada importância, é o da formação, que começa no Seminário, para uma vida de santidade. Atenção: O sacerdócio é algo santo! Em se tratando dos valores cristãos, nada mudou. Realmente, os problemas da vida moderna não podem e nem devem desfigurar a imagem do Padre. O padre pode e deve ser culto, preparado nas diversas áreas, mas que nada disso venha a substituir, nele, o ser PADRE. A Igreja precisa de padres, mas de PADRES santos e comprometidos com a causa do Reino, de padres cultos, mas humildes, de padres puros no meio do lodo, pobres e mansos entre as questões econômicas, sociais e políticas”, disse.

Dom Dulcênio também falou sobre o amor e o sacrifício em prol da santidade e da felicidade do povo, lembrou que quando o padre rezar com fervor e amor, o povo vive mais feliz. O Pastor Diocesano expressou gratidão pela colaboração dos padres em favor do rebanho de Jesus Cristo e conclui com uma oração pela unidade e santidade da comunidade cristã.

“Meus caríssimos irmãos sacerdotes, a vocação já é uma realidade vivencial, sacerdotal, e o tríplice ato de fé, de amor e de sacrifício, consiste no “ser PADRE”, na alegria transbordante de “ser PADRE”. O Ato da fé – se não tivéssemos fé, não teríamos atendido ao chamado do Alto, soado em nossa consciência na manhã da adolescência. O Ato de amor – por isso, como pregadores de Deus, ensinamos o amor, mas não apenas com palavras, mas com nossa vida. A felicidade e a santidade do povo dependem de nosso fervor ao celebrarmos a Santa Missa com espírito de fé e de amor. A felicidade do povo depende de nos sentirmos felizes em ser Padres”, disse

E continuou:  “Amados Padres, com o meu coração de Pastor cheio de fé e amor, desejo externar, na palavra fraterna que lhes dirijo neste momento, todo meu comovido agradecimento pela colaboração do apostolado, de todos e cada um, em favor do rebanho de Jesus Cristo, em nossa querida Diocese de Campina Grande, que completa seus 75 anos de missão. Rezemos pelos Bispos, Sacerdotes, Diáconos, Religiosos e Religiosas, pelos Leigos e Leigas que deram tudo de si para que hoje tivéssemos uma Igreja viva, que tem fé e ama a Deus e ao próximo”, findou.

Por: Ascom

Fotos: Raphaelly Albuquerque (Setor Diocesano de Fotografias)

Imagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notícia
Imagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notícia

Comentários (0)