Paróquia de São Pedro e São Paulo, em Queimadas-PB, realiza a sua primeira Crisma

Postado em 23/03/24 às 23:456 minutos de leitura122 views


Na noite deste sábado, 23 de março, a Paróquia de São Pedro e São Paulo, localizada na cidade de Queimadas-PB, celebrou a sua primeira cerimônia de Crisma, na qual 133 jovens receberam o sacramento. O responsável por conferir o sacramento foi o bispo Diocesano de Campina Grande, Dom Dulcênio Fontes de Matos, que destacou a importância desse momento na vida dos cristãos.

A Santa Missa foi concelebrada pelo Pároco, Padre Tobias, que expressou sua gratidão aos catequistas, aos jovens crismados por sua perseverança e ao bispo por sua presença. Na homilia proferida por Dom Dulcênio Fontes de Matos durante a cerimônia de Crisma na Paróquia de São Pedro e São Paulo aborda o tema do "Silêncio do Senhor", já celebrando a liturgia deste Domingo de Ramos e da Paixão do Senhor.

O líder religioso, destacou a importância do silêncio de Jesus em contraste com um mundo agitado e barulhento, onde as pessoas estão constantemente ansiosas por respostas imediatas e afirmam suas opiniões como se fossem definitivas e corretas.

Ele ressaltou a profundidade do silêncio de Jesus Cristo durante sua Paixão, observando que, embora Ele seja a Palavra de Deus, escolheu não proferir uma palavra em sua própria defesa. Este silêncio, segundo o bispo, é significativo e não é vazio; ao contrário, é extremamente frutífero, impactando profundamente aqueles que o testemunharam e continuam a ser tocados por ele.

“O silêncio eloquente de Jesus não é estéril: antes, produz muito fruto, o máximo fruto que se pode avaliar. Este silêncio ensurdecedor de Cristo fala ao coração de tantos sofredores do corpo ou do espírito; fala-nos nestes dias tão difíceis que se misturam - ou melhor: se harmonizam - com a profundidade da Semana Santa. O silêncio de Jesus é destreza para apaziguar-nos com Deus e conosco mesmos”, pregou.

O bispo menciona as palavras do profeta Isaías, que descrevem um servo de Deus que aceita pacientemente o sofrimento e confia plenamente em Deus. Ele argumenta que o silêncio de Cristo é um exemplo de confiança e esperança em Deus, que são fundamentais para enfrentar o sofrimento com serenidade e heroísmo.

“Cristo fala no Seu silêncio, porque fala o que viu junto do Pai (cf. Jo 8,38). A nossa discreta e silenciosa, porém, verdadeiramente convicção em Deus, só nos será possível se aquietarmos o coração para escutá-Lo atentamente, e, mediante esta audição, nascerão em nós as virtudes que farão frente ao sofrimento”, disse.

Além disso, Dom Dulcênio cita Santo Tomás de Aquino para destacar como a Paixão de Cristo serve como um exemplo supremo de paciência, pois Ele suportou grandes males sem resistência, manifestando assim a verdadeira paciência.

O bispo enfatizou que o silêncio de Cristo não é apenas resignação passiva, mas também uma expressão de louvor a Deus, exemplificada pela oração de Jesus durante sua Paixão. Ele conclui instando os fiéis a seguirem o exemplo de Cristo, testemunhando através de seu próprio silêncio e aceitação dos planos divinos, para que outros possam ser levados à conversão.

“O silêncio de Cristo é edificante à humanidade e é máxima expressão de louvor a Deus, porque, silencioso, humilhou-Se, obedientemente, até a morte de cruz ( Fl 2,7), como nos diz a Segunda Leitura. Isso também nos aconteça diante da nossa participação nos sofrimentos de Cristo, para que muitos se convertam pelo nosso testemunho de silêncio e resignação aos planos misteriosos e salvíficos de Deus”, findou.

Por: Ascom
Fotos: Pascom Paroquial 

Imagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notícia

Comentários (0)