II Domingo do Tempo Comum – Um chamado de Jesus: “Vinde e ver”

Postado em 14/01/24 às 23:4710 minutos de leitura164 views


Peregrinação da Paróquia de Serra Branca-PB à Catedral e Missa em São Sebastião do Umbuzeiro-PB

Neste Domingo, 14, a Catedral de Nossa Senhora da Conceição, registrou mais uma bonita manifestação de fé do povo de Deus, com mais uma peregrinação para receber as indulgências Plenárias; a Paróquia que peregrinou neste dia foi a Paróquia de Nossa Senhora da Conceição de Serra Branca-PB e Coxixola-PB; Padre Joselito (Pároco), junto com o seu povo, participaram com muita fé deste momento cheio de significado sinodal.

As peregrinações tornaram-se – neste período em que a Diocese vivencia o Ano Jubilar dos seus 75 anos – momentos significativos na vida diocesana, proporcionando aos fiéis a chance de buscarem a espiritualidade, renovarem a fé e alcançarem o perdão e a graça divina.

Seguindo a programação estabelecida, os peregrinos são acolhidos para o café da manhã, Catequese sobre as Indulgências e a Santa Missa presidida pelo Senhor Bispo Diocesano, Dom Dulcênio Fontes de Matos; o Bispo, juntamente com o Vigário Geral, Padre Luciano Guedes, acolheram aos fiéis que participaram da Santa Missa do II Domingo do Tempo Comum.

Homilia

O pensamento da homilia proferida por Dom Dulcênio é profundo e inspirador. A afirmação "Se Ele nos chama, também nos deseja" destaca a ideia de que o chamado de Jesus não é apenas uma convocação, mas também uma expressão de desejo por cada um de nós. Isso ressalta a importância do relacionamento pessoal e íntimo que o Senhor deseja estabelecer com os seus seguidores.

“O chamado do Senhor, além de certo, incomoda e não nos deixa na ignorância. Por isso, também nos foi oferecido para a reflexão neste Domingo o texto do Salmo 39, do qual podemos destacar: “[...] abristes, Senhor, meus ouvidos; [...] Com prazer faço a vossa vontade, guardo em meu coração vossa lei!” (Sl 39,7.9). Aqui, recordo-me do que perguntou a Virgem Santíssima diante da sua vocação e missão: “Como acontecerá isso, se eu não conheço homem algum?” (Lc 1,34). Perguntas como essa Deus suscita no nosso coração para nos privar da ignorância, para nos fazer conhecer o chamado e a missão, e, pela fé, sabermos que, não obstante os desafios e as dificuldades, Ele sabe como conduzir as coisas na Sua providência”, disse.

A temática do chamado de Jesus, utilizando a expressão "Vinde e Ver", enfatiza a experiência direta e pessoal que cada indivíduo pode ter ao responder ao convite divino. A menção dos personagens bíblicos como Samuel, João Batista, André, o discípulo anônimo e Pedro, ilustra a diversidade de respostas ao chamado divino, ressaltando que esse chamado é para todos, independente de sua origem ou papel na sociedade.

“André e o discípulo desconhecido eram seguidores de João, o Batista. Eles estavam num bom caminho, mas que não era o ideal. Interessante é notar o diálogo entre Jesus e aqueles homens, muito mais do que sanar uma possível curiosidade Jesus quer perguntar-lhes: “Que sentido de vida procurais?”. Esta mesma indagação também se volta para nós, não apenas hoje, mas a cada encontro com o olhar divino, que nos interpela. E a resposta daqueles incomodados reflete o desejo que tinham de ressignificar as suas vidas, pois almejavam intimidade com o próprio Deus, ao que Jesus consente, não apenas a eles, mas deseja consentir para todos os que Ele, universalmente, remiu”, pregou.

Missa em São Sebastião do Umbuzeiro-PB

Dom Dulcênio também presidiu a Missa na Paróquia de São Sebastião, em São Sebastião do Umbuzeiro-PB, na forania do Cariri II, na noite deste domingo. A paróquia está celebrando o padroeiro com grande alegria e recebeu o bispo com entusiasmo. O Pároco, Padre Marcos Souza, expressou os seus agradecimentos ao bispo por mais uma vez celebrar na paróquia do Cariri.

A esta comunidade, Dom Dulcênio também refletiu sobre o chamado que a liturgia deste domingo propôs; destacou em sua homilia as inquietações que o chamado de Jesus causa em cada um de nós, apontando a natureza desafiadora e transformadora do chamado divino, que muitas vezes confronta nossas seguranças e nos convida a uma mudança profunda.

A ideia de que os discípulos de João seguiram a Jesus por reconhecerem que Ele é o único caminho ressalta a importância da fé e da confiança na orientação divina. A pergunta sobre como nos comportamos diante do chamado de Jesus e qual é a nossa resposta também instiga a uma autorreflexão sobre a nossa disposição em seguir o caminho proposto pelo Senhor.

“Diante de qualquer indagação acerca da nossa dignidade ou indignidade do chamado a nós dirigido, a consciência de sabermos que, na Sua Onisciência, se Deus nos chama é porque nos conhece profundamente; e, conhecendo-nos profundamente, com nossos préstimos ou deficiências, Ele nos quer para realizar o Seu bom propósito, pois como confessou o luminoso Papa Bento XVI, quando da sua eleição para o pastoreio universal da Santa Igreja: “Conforta-me o fato de que Deus sabe trabalhar com instrumentos insuficientes”, enfatizou.

Por: Ascom
Fotos: Pascom de Serra Branca e Pascom de S Sebastião do Umbuzeiro

Imagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notícia


Imagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notícia

Comentários (0)