III Domingo do Advento: Última Peregrinação de 2023 e Missa festiva em Barra de Santa Rosa-PB pelos 50 anos de Criação

Postado em 17/12/23 às 22:499 minutos de leitura176 views

          

A Igreja celebrou neste dia 17, o Terceiro Domingo do Advento, conhecido também por Domingo da alegria, a terceira vela acesa convida à alegria e ao júbilo, pois se aproxima a chegada do Salvador, Nosso Senhor Jesus Cristo. Na Catedral de Nossa Senhora da Conceição, pela manhã, o Bispo Diocesano de Campina Grande-PB, Dom Dulcênio Fontes de Matos, presidiu a Santa Missa e acolheu a última peregrinação para receber as Indulgências Plenárias, neste ano de 2023, com a Paróquia de Nossa Senhora das Dores e São Lucas, do sítio Estreito.

Acerca da Peregrinação

As Peregrinações das Paróquias à Catedral para receberem as Indulgências Plenárias, concedidas pelo Santo Padre, o Papa Francisco, por ocasião do Jubileu Diamantino da Diocese de Campina Grande, tem se tornado um marco para toda a Igreja particular, bem como para as paróquias, que tem comparecido e mantido este espírito de sinodalidade.

A última peregrinação em curso neste ano de 2023, foi a Paróquia de Nossa Senhora das Dores e São Lucas, do Sítio Estreito, zona rural de Campina Grande, que trouxe à Catedral um bom número de seus fiéis. Conduzidos pelo Pároco, Padre Eude Araújo e pelo diácono Permanente Érick Nóbrega, os fiéis foram acolhidos pelo Vigário Geral da Diocese, Padre Luciano; na catedral, o povo de Deus da Paróquia do Estreito, tomou café, visitou a Cripta e participou da Catequese sobre as indulgências, seguida da Santa Missa. 

Santa Missa

A missa presidida pelo Bispo Dom Dulcênio contou com a concelebração dos Padres Luciano e Eude, com a assistência dos diáconos Ricardo e Érick, bem como a ajuda dos seminaristas; na homilia pregada ao povo de Deus, o prelado refletiu sobre a verdadeira alegria.

O Senhor bispo começou a sua pregação extraindo um diálogo de São Francisco de Assis e o Frei Leão, que vindo de Perusa para Santa Maria dos Anhos, durante um rigorosíssimo inverno, tiveram um grande colóquio acerca da verdadeira alegria. Conforme pregou, Francisco em diálogo com Frei Leão, provocou-o a pensar acerca da perfeita alegria que consiste em suportar as injúrias com paciência, alegria e bom coração por causa de Cristo.

“ ‘Acima de todas as graças e de todos os dons do Espírito Santo, os quais, Cristo sempre concede aos seus amigos, está o dom de conseguir vencer-se a si mesmo e, de boa vontade, suportar todas as injúrias e desprezos, lembrando sempre que todos os dons vêm de Deus’ “, citou do Excerto dos Fioretti de São Francisco.

Ademais, o bispo endossou o ensinamento de São Francisco, ao instruir que O cristão, por sua união com Cristo, é aquele que, não obstante as dificuldades, se encaradas, vividas e rezadas por amor ao Senhor, já neste mundo, reconfortado, experimenta a verdadeira alegria. “E, nisto, não cessa de agradecer, engrandecendo o Senhor. Por quê? Porque permite que o Espírito Santo de Deus, aquecendo o seu interior, apaziguando-o, lhe conceda a tão almejada felicidade”, pregou. 

Por fim, concluiu dizendo que nenhum testemunho de João Batista foi mais alegre e entusiasmado do que quando, tombando pelo martírio, derramou o seu sangue. Eis a verdadeira alegria, purificada pela incompreensão, pelo sofrimento e pela morte parecida pelo amor. “A verdadeira alegria está para, conduzido pelo Espírito Santo, servir a Deus e ao próximo, sempre, sem reclamar ou murmurar, fervorosos em realizar, radical e plenamente, a vontade do Senhor, ainda que nos custe tudo. Repito: isto é a verdadeira alegria”.

Celebração festiva na Paróquia de Barra de Santa Rosa

A Paróquia de Nossa Senhora da Conceição e Santa de Lima, com sede em Barra de Santa Rosa-PB, forania do Curimataú, celebrou 50 anos de ereção canônica e o bispo marcou presença para presidir a Missa junto aos seus diocesanos na referida comunidade. Dom Dulcênio foi acolhido pelo Pároco, Padre Tiago Félix, bem como por toda comunidade de fé. Também estiveram presentes, o Padre Tadeu, de Nova Floresta-PB e o Padre Claudeci, de Picuí-PB.

Ao explicar o significado do Domingo da Alegria, Dom Dulcênio citou o Papa Bento XVI que falou acerca da autêntica alegria que provém de Deus, e assim, pautado pelos ensinamentos deste grande papa, o bispo instruiu que o cristão vive a verdadeira alegria nas situações da vida, as mais diversas e, por vezes, difíceis porque desafiadoras. Também citou o Bispo de Hipona, Santo Agostinho, que caracterizará a alegria cristã como quietude, descanso em Deus: “Porque nos criastes para Vós e o nosso coração vive inquieto, enquanto não repousa em Vós” (Confissões I,1).

E terminou pedindo ao povo de Deus que neste tempo do Advento, aprendamos todos com Maria, aquela que soube acolher a plenitude de todas as alegrias, o Mestre e Senhor Jesus. “Em Maria expectante, já vemos a Sua aurora. Ela, feliz por acreditou (cf. Lc 1,45), porque esperou, muito nos inspirará e nos ajudará se esperarmos, com dignidade, com as “janelas e portas” abertas da nossa alma, o seu Jesus, nossa alegria, que iluminará o interior do homem de fé, dissipando toda a escuridão de pecado, que nos angustia porque entristece os planos de Deus”.

Por fim, agradeceu a Deus pelos 50 anos da Paróquia de Barra, e disse que celebrar o referido jubileu, é contemplar que a igreja paroquial é um Templo de Deus formado por pedras vivas. Conforme ensinou, o Pároco é o pastor da Paróquia a ele confiada; exerce o cuidado pastoral da comunidade que lhe foi entregue, sob a autoridade do bispo diocesano (...) com o munus de ensinar, santificar e governar(...) com estabilidade de acordo com o direito. Os paroquianos são os que frequentam ou faz parte da comunidade paroquial; são pessoas, o Templo vivo, não se trata de um Templo de pedras mortas, mas de um Templo de pedras vivas,

“Caríssimos, como pastor, os exorto nesse dia de júbilo. Faço um convite aos cristãos que estão longe ou estão fora da comunidade paroquial, aproximem-se, aqui, Deus pode mudar toda nossa vida. Com Cristo nos tornamos pedras vivas, capazes de amar e de responder ao amor infinito de Deus para conosco. O que a Igreja nos pede é que anunciemos o Cristo morto e ressuscitado, “em tempo ou contra tempo, oportuna ou inoportunamente”, como diz São Paulo, grande evangelizador. Como filhos, Templos vivos dessa Paróquia, pedimos as bençãos e proteção de Nosso Senhor Jesus Cristo, que a Imaculada Conceição e Santa Rosa intercedam por todos. Amém”, disse.

Por: Ascom
Fotos: Aline Tenório (colaboradora da Pascom Diocesana) e Pascom Paroquial de Barra de Santa Rosa.
         

Imagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notícia



Imagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notícia

Comentários (0)