Em Esperança-PB e em Barra de Santana-PB, Bispo realiza Crismas

Postado em 19/11/23 às 00:236 minutos de leitura251 views


O Bispo Diocesano de Campina Grande, Dom Dulcênio Fontes de Matos presidiu Missa e Crisma nas Paróquias de Barra de Santana-PB e de Esperança-PB, entre os dias 17 e 18. Na sexta-feira, Bispo esteve no povoado do Mororó, capela de Santa Luzia que pertencente à Paróquia de Santa Ana e lá crismou 36 pessoas. Neste sábado, 18, o bispo esteve na Paróquia de Nossa Senhora do Bom Conselho-PB, em Esperança-PB, quando na ocasião crismou aproximadamente 85 pessoas.

Na Missa presidida neste sábado à noite, em Esperança, por ocasião da Crisma de jovens e adultos, Dom Dulcênio presidiu a Santa Missa do 33º Domingo do Tempo Comum, concelebrada pelo Padre Evanilson e refletiu sobre os Talentos desenvolvidos e chamou à atenção para o Reino de Deus.

O Evangelho de Mateus 25,14-30, proposto para a liturgia deste 33º Domingo do Tempo Comum contém o relato da Parábola dos Talentos contada por Jesus a seus discípulos. E conforme explicou o bispo, citando São Gregório Magno, o homem que viaja para o estrangeiro é Jesus que parte para o céu.

O homem que viaja para o estrangeiro distribuiu cinco talentos a um empregado, a outro deu dois e a um terceiro deu um talento, acerca desse trecho, Dom Dulcênio explicou que o talento apesar de uma unidade monetária da época, pode ser interpretado como tudo o que o Senhor nos concede para que multipliquemos em uma vida virtuosa para a construção do Reino.

“A primeira vista, temos a tentação de pensar que este patrão é injusto, ou desconfia de alguns dos seus subalternos, porque, conforme a nossa humana compreensão, se ele fosse realmente justo, teria distribuído os seus talentos equitativamente. Não, o patrão não é injusto; o evangelho é categórico em frisar: “de acordo com a sua capacidade”. Capacidade é uma palavra marcante. Percebemos na Igreja diversos graus hierárquicos, o que seria isso senão a capacidade de cada um. Cuidado para não confundirmos capacidade com méritos; capacidade com santidade, ou dignidade. Não. Capacidade é um termo que designa distinção de papéis para a consecução de algo”, explicou.

“Sabemos, pelo Evangelho de hoje, que tanto o primeiro quanto o segundo empregado entendem os planos de seu patrão; o terceiro, não. Pelo contrário, enterra o talento recebido. O que ele quer de nós, pobres empregados? Logicamente, que façamos crescer, render, desenvolver o Reino. O Reino é o seu empreendimento”, pregou.

O Evangelho também tem caráter escatológico, pois, no versículo 19, destaca que o patrão voltará do estrangeiro para acertar as contas, nesse sentido, o bispo instruiu que auanto mais tempo o Senhor tardar para voltar, mais oportunidade teremos para impregnar o mundo com os valores do Reino. Em compensação, mais esfarrapadas serão as desculpas que lhe daremos se não fizermos render o seu Reino.

“Deus quer contar conosco. Somos Seus instrumentos para a salvação do mundo pela propagação do Seu Reino. Para tanto, concede-nos dons que, desenvolvidos, servem para executarmos esta tarefa de responsabilidade e de amor. Sejamos fiéis, e não nos eximamos pelo desleixo, indiferença ou preguiça”, findou.

Por: Ascom
Fotos: Pascom Barra de Santana e Pascom de Esperança

 

Imagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notícia

Imagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notícia

Comentários (0)