XXIV Domingo do Tempo Comum: Um chamado ao perdão

Atualizado em 17/09/23 às 00:0012 minutos de leitura291 views


A igreja celebra neste dia 17, o 24º Domingo do Tempo Comum, apresentando aos seus fiéis o Evangelho de Mateus 18,21-35, que traz uma lição acerca do perdão perene; na Catedral de Nossa Senhora da Conceição, O Bispo Diocesano de Campina Grande, Dom Dulcênio Fontes de Matos presidiu a Santa Missa e acolheu mais uma Peregrinação para o recebimento das Indulgências Plenárias, vinda da cidade de Boa Vista-PB, a Paróquia de Bom Jesus dos Martírios.

O Padre Saulo Rodrigues, Pároco da Paróquia de Boa Vista, junto aos seus paroquianos, que em grande número lotaram as dependências da Catedral, vivenciaram este momento importante com muita fé e devoção, sendo recebidos por volta das 8h45 pelo Pároco da Catedral, Pe. Luciano Guedes; os fiéis tomaram café, visitaram a Cripta, a exposição histórica e participaram da Catequese acerca das indulgências.

Na Santa Missa presidida pelo bispo, os fiéis desfrutaram de uma rica homilia proferida pelo Pastor Diocesano, que ao refletir a Liturgia da Palavra deste domingo falou sobre a importância de imitar o amor de Deus; segundo pregou, o cristão, muito mais do que um seguidor descomprometido, deve ser um imitador do próprio Cristo com todas as forças do seu interior, sempre propenso ao crescimento pelo alargamento do amor.

Conforme ensinou o Bispo de Campina Grande-PB, Jesus, ao longo da sua pregação, nos alertou acerca do diferencial que devemos ser diante das realidades que visam minorar os valores que Ele, como Deus, ensinou e exemplificou, solapando a moral cristã. Disse também que como membro da Igreja, família de Deus e casa de irmãos, é dever de todo cristão imitar ao seu Senhor na busca pela perfeição que se dá em práticas concretas de amor.

“Na vivência entre irmãos de per si imperfeitos, devemos nos ajudar para atingirmos juntos esta meta comum: a perfeição. Desculpem-me a franqueza: talvez estejamos no lugar mais exigente do mundo, é bem verdade! Viver na Igreja por vezes não é fácil. Porém, todos devemos ter como objetivo o crescimento, porque somos pessoas que, se sentindo incomodadas pelo que são e pelo que devem ser, buscam, na vivência dos sacramentos, na escuta da Palavra, na comunidade, experimentando Jesus, ser como Ele. A Igreja é uma comunidade em vias de perfeição; em transformação pelo trilhar da conversão e da penitência”, destacou.

Missas com o Rito da Crisma

No sábado, 16, à noite na Paróquia de São João Maria Vianney e São Sebastião, no Seminário do Alto Branco, o Bispo Crismou uma turma de 68 jovens.  Já no domingo, 17, esteve na Paróquia de Nossa Senhora do Desterro, em Boqueirão-PB quando lá crismou 264 jovens e adultos.

Para essas duas comunidades Dom Dulcênio refletiu em torno do Perdão que é o grande ensinamento deste XXIV Domingo Ordinário; o bispo pregou que a ação do amor de Deus é enfatizada em Sua misericórdia, que nos dá a paz, a única verdadeira; que, vinda do Alto, é duradoura e nos faz viver na graça divina.

Ao prosseguir com os seus ensinamentos, disse que no Evangelho de São Mateus, existem dois grandes gritos de misericórdia: o “Perdoai as nossas ofensas assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido” (Mt 6,12), presente no Pai-nosso, ensinado por Jesus no Sermão das Bem-Aventuranças, e os gritos presentes no trecho do Evangelho deste domingo: “Dá-me um prazo, e eu te pagarei!” (Mt 18,26.29).

“Deus escuta todos os gritos de misericórdia que Lhe elevamos. A Sua onipotência não é indiferente à nossa humilhante situação pecadora. E, assim, as repetidas vezes do “setenta vezes sete” nunca esgota a infinitude do amor divino por nós. Deus tudo perdoa ao arrependido porque tudo pode Ele fazer”, pregou.

E concluiu refletindo que por vezes mendigamos o perdão de Deus, mas somos mesquinhos em amar diante de uma simples mágoa, somos lentos no ato de “misericordiar”, conforme a expressão alcunhada pelo Papa Francisco. “Quando isto acontecer, quando os ecos do rancor ressoarem em nós, tenhamos aos olhos a conclusão do trecho do Eclesiástico proclamado nesta Missa: “Lembra-te do teu fim e deixa de odiar; pensa na destruição e na morte, e persevera nos mandamentos. Pensa nos mandamentos, e não guardes rancor ao teu próximo. Pensa na aliança do Altíssimo, e não leves em conta a falta alheia!” (Eclo 28,9). E, com tais meditações, perfuraremos a rocha do nosso egoísmo”, findou.

Por: Ascom
Fotos: Pascons paroquiais - Seminário (Aline Tenório); Boa Vista-PB e de Boqueirão-PB



 Imagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notícia


Imagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notícia


Imagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notícia

Comentários (0)