Solenidade da Ascenção Senhor: Missa de Corpo Presente da Irmã Coleta

Atualizado em 21/05/23 às 00:0010 minutos de leitura459 views


A Solenidade da Ascenção de Nosso Senhor Jesus Cristo, comunica a igreja que o ressuscitado foi elevado ao céu, abrindo as portas para a vida eterna. A partir de então, a comunidade dos discípulos que viram Jesus ascendendo, foram, pelo mesmo Cristo encorajadas a permanecerem em Jerusalém para receberem o Espírito Santo dentro de poucos dias.

Acerca dessa verdade de fé, o Bispo Diocesano de Campina Grande, Dom Dulcênio Fontes de Matos, presidiu três missas entre neste final de semana, 20 e 21. A primeira delas, foi no sábado à noite, na Paróquia de Nossa Senhora Aparecida, quando realizou Crismas, a segunda missa presidida foi na manhã do domingo, no Mosteiro das Clarissas, foi uma Missa exequial pela páscoa da Irmã Coleta, falecida na madrugada deste domingo; e a terceira missa, o bispo presidiu-a na Paróquia de Nossa Senhora das Mercês, em Cuité-PB, quando também realizou Crismas.

Missa no Mosteiro

Nas primeiras horas do domingo da Ascensão do Senhor, a Igreja Particular de Campina Grande recebeu com pesar a notícia do falecimento da Irmã Coleta, freira da Ordem de Santa Clara. Por essa razão, o bispo rezou a missa exequial no Mosteiro. Em um clima de oração e silêncio os fiéis se despediram da Irmã Coleta.

Homilia

Na pregação, o bispo falou sobre O Cristo que subiu, e sobre os fiéis que seguem o curso da história trabalhando para o retorno triunfante de Jesus. Conforme ensinou, na ascensão de Jesus, todos são vitoriosos, mas é uma vitória que implica em movimento e não em inercia e assim explicou o prelado:

“Mesmo participando da vitória do Senhor, não devemos ficar inertes, desocupados, com braços cruzados… Não. Mesmo sendo o Cristo vitorioso sem a nossa participação, mas graças, unicamente, ao Seu poder de Deus, enquanto cristãos, devemos trabalhar incansavelmente para pôr tudo sob os seus pés, recapitulando-Lhe todas as coisas. É fato de que o poder conferido a Cristo é de origem divina; é manifestação da força de Deus no Filho. Entretanto, enquanto o Senhor não regressa na Parusia, devemos preparar tudo à Sua chegada”, pregou.

Ainda refletiu que o mundo vasculha e duvida de Jesus Cristo; se não crê, não se compromete, e assim pediu: “Trabalhemos, sabendo que receberemos o Espírito Daquele que, hoje, subiu, que nos fortalecerá; trabalhemos, sabendo que não estamos sozinhos, Aquele que, hoje, subiu está sempre conosco e vê a todos; trabalhemos, incansavelmente trabalhemos, cooperando com o Pai, submetendo tudo à glória Daquele que, hoje, subiu, para que tudo seja salvo. Sabemos o que fazer. Logo, trabalhemos, trabalhemos, trabalhemos… Corações ao Alto!”  

Sobre a irmã Coleta

Seu nome civil era Luiza Felix da Silva, nascida aos 12 de novembro de 1937, natural do munícipio de Ingá-PB. No dia 06 de março de 1955 (5 anos da fundação do Mosteiro em Campina Grande), a jovem Luiza ingressa no Mosteiro, na Festa de Santa Coleta, aderindo ao seu nome religioso, a qual ficou conhecida pelos fiéis como Irmã Coleta.

A profissão religiosa foi em 22 de agosto de 1958, a profissão solene foi aos 22 de agosto de 1963; uma das frases que a irmã costumava dizer, era: “Para mim estar perto de Deus é a felicidade perfeita”. A Irmã encantava as mais novas pelo zelo com a vida de oração, buscando sempre se assemelhar à Santa Clara.


Homilia na celebração das Crismas

No sábado à noite, o bispo presidiu a Crisma de 61 adultos na Paróquia de Nossa Senhora Aparecida no Médice, e no domingo à tarde, a crisma de 180 jovens na Paroquia de Nossa Senhora das Mercês, em Cuité-PB.

As dezenas de jovens e adultos desfrutaram de uma rica reflexão do Pastor Diocesano, que destacou que a Ascensão do Senhor, também é uma ascensão da igreja, assim como de todos. 

“O Senhor não ascende sozinho: Consigo, toda a Igreja é elevada; ela que é o Corpo Místico do Senhor. Ao mesmo tempo, também nós, membros desta Igreja pelo Santo Batismo, já nos encontramos ascendidos em potencial e atualmente, pela graça e poder do Cristo, na comunhão com a Igreja que comporta em si, na sua dimensão triunfante, filhos seus e irmãos nossos que nos precederam na glória do Céu”, pregou.

Celebrar a Ascensão de Jesus, continuou refletindo, é relembrar a vocação à qual fomos chamados. “E esta recordação também é apontamento da Oração de Coleta deste Domingo festivo, pois “somos chamados na esperança a participar da sua glória”, da glória de Cristo, portanto”, disse.

E concluiu enfatizando que ascensão de Jesus, é para toda igreja sinal de esperança e que os fiéis, creiam sempre na glória eterna, destino último de todos. “Seja a nossa esperança maior do que o desespero do tempo presente, este, que é fruto do pecado, obscurece a nossa compreensão e a nossa resposta ao plano divino de amor do Pai, que se realiza no Filho e, Nele, para nós, pelo Espírito Santo que aguardamos para revestir-nos da Sua força”, findou.

Por: Ascom
Fotos: Pascom de Aparecida – Matheus Borges (Pascom Diocesana) – Pascom das Mercês.

Imagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notícia


Imagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notícia


Comentários (0)