18º Domingo do Tempo Comum: “A vida de um homem não consiste na abundância de bens”

Atualizado em 13/08/22 às 23:316 minutos de leitura290 views


Neste último dia do mês de julho, 31, a Igreja celebra o 18º Domingo do Tempo Comum e adverte aos seus fiéis acerca do acúmulo de bens e incentiva a busca pelos tesouros espirituais. O Bispo Diocesano de Campina Grande, Dom Dulcênio Fontes de Matos, aprofundou essa reflexão nas missas por onde celebrou.

Neste domingo, bispo esteve em duas paróquias: pela manhã, celebrou missa festiva na Paróquia de Barra de Santana-PB, onde foi acolhido pelo Padre Fabiano Melo e seus paroquianos; e à tarde celebrou missa e crisma na Paróquia de Barra de São Miguel.

Homilia em Barra de Santana

Na primeira comunidade paroquial onde celebrou, a de Barra de Santana, Dom Dulcênio refletiu sobre a vida eterna, destacando que a realidade terrena é passageira, e que por essa razão, o cristão é chamado a contemplar as coisas do alto. “A ganância não apenas ilude o homem a respeito de Deus como também ofusca o próximo em nosso coração, empobrecendo-nos nos mais nobres sentimentos de dependência à Divina Providência e à Caridade para com o outro”, refletiu.

Ainda na comunidade de Barra de Santana, Dom Dulcênio deteve-se a falar sobre Santa Ana e São Joaquim, uma vez que a comunidade paroquial está celebrando as festividades da padroeira; acerca dos santos avós de Jesus, o bispo destacou a santidade existente na família de Nossa Senhora e pediu aos fiéis e famílias reunidas que buscassem o modelo da família de Nossa Senhora.

“Festejar Santa Ana e São Joaquim é celebrar a vida de família, por isso pergunto aos pais e mães e todos os fiéis: Por que vocês não imitam este belíssimo exemplo da santa mãe de Maria, entregando a Deus o que mais caro vocês têm aqui na terra, se assim for a vontade de Deus”? Questionou.

Ainda refletindo sobre Santa Ana, concluiu sua mensagem lembrando que os pais de Maria Santíssima, foram fiéis à vontade divina e por essa razão foram agraciados por Deus: “A exemplo de Ana e Joaquim que esperaram em Deus e tiveram paz, examine-se e veja se vives em paz, contente, satisfeito; se não estiver, é porque Deus não está encontrando espaço em seu coração. Assim como Santa Ana e São Joaquim, vivam profundamente o amor e a entrega a Deus”, concluiu.

Missa em Barra de São Miguel.

Na outra Barra, a de São Miguel, Dom Dulcênio presidiu a Missa com o rito da crisma de 26 jovens e adultos; na ocasião, o bispo e os seminaristas foram acolhidos pelo Padre Jefferson Barbosa e por toda a comunidade.

Na homilia proferida a esta comunidade, o bispo exortou a todos a buscarem os bens espirituais, as coisas do alto, o eterno, a vida em Deus; lembrou também que as realidades terrenas são ilusórias e que a única riqueza está em Jesus Cristo, sendo o único e sumo bem de todo o cristão:

“Ser rico diante de Deus é ser pobre; ser pobre diante de Deus é ser rico. Nesta afirmativa paradoxal, somos todos responsabilizados a que usemos do que nos é concedido com sabedoria e desprendimento, porque tudo passa e só Deus nos é suficiente. E, como estamos a subir as escarpas deste mundo para o céu, não queiramos nos sobrecarregar com o que não nos é essencial, porque somente um o é”, pregou.

Por: Ascom | Correção: Padre Márcio
Fotos: Pascom de Barra de Santana e Pascom de Barra de São Miguel

Imagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notícia


Comentários (0)