Pe. Joselino Mendes é empossado na Paróquia de Cubati e São Vicente do Seridó – PB

Postado em 17/06/22 às 22:594 minutos de leitura

     A noite desta sexta-feira foi a ocasião da Posse Canônica do Pe. Joselino Mendes Gonçalves em sua primeira Paróquia. A celebração aconteceu na Igreja Matriz de São Severino e contou com a presença de sacerdotes e seminaristas, bem como de familiares do Pe. Joselino. Dentro do ritual de posse, foi lida a Provisão canônica e o Pe. Joselino recebeu alguns símbolos das mãos do Bispo diocesano, recordando a sua missão à frente da comunidade paroquial.

     “A Igreja de Jesus Cristo é dinâmica”. Assim Dom Dulcênio iniciou sua homilia, recordando que a dinamicidade da Igreja é o que a faz crescer, uma vez que todos colocam suas vidas a serviço do Reino. As atitudes contrárias ao Reino são aquelas onde se procura mais a morte, do que a vida: “Tudo o que agride a vida do ser humano, agride profundamente a Deus. Quem vive na escuridão não consegue enxergar os verdadeiros valores e pautará a sua vida em coisas acidentais, que passam”.

     Por isso, no Evangelho, Jesus propõe o questionamento sobre o que realmente importa na vida do homem. Comentando o texto evangélico, Dom Dulcênio recordou que o acento não se deve dar a acumulação de bens terrenos, mas tesouros no céu, que já na terra se identificam com os valores do Evangelho.

     Neste ponto, Dom Dulcênio passou a dirigir-se ao Pe. Joselino recordando-lhe a gravidade de sua missão à frente da Paróquia. E começou aconselhando-o: “Devo dizer-lhe que, no mundo estão presentes o bem e o mal e que as forças organizadas do mal não querem dar lugar aos que são retos. Mas o plano de Deus é diferente”. É no plano de Deus que deve estar a confiança dos homens e da Igreja como um todo: “A Igreja deve seguir o seu exemplo; por isso, não pode ficar indiferente ante a fome dos pobres e os verdadeiros valores cristãos”. Por tal motivo, a Igreja vai sempre lembrar-se dos pobres e sofredores junto aos que detém o poder na sociedade de hoje. E lembrou que muitos não reconhecem a sua real obrigação.

     O Bispo diocesano ainda lembrou que o padre deve ter sempre um cuidado pelas coisas materiais, mas não em sentido estrito, esquecendo-se do resto. Por isso, ele afirma que “Feliz é aquele que, dando às coisas terrenas a atenção necessária, põe seu principal cuidado em que venha a nós o Reino de Deus”.

     Toda ação humana sempre será marcada pelo coração. Por isso, colocar as coisas no alto é a procura constante pelo bem do outro e da comunidade como um todo. Concluiu aconselhando ao Pe. Joselino que procure sempre a limpidez das ações e a lucides dos pensamentos, dado que é o que se espera de um sacerdote cristão, como recordou Dom Dulcênio: “Lembre-se, sim, que o Padre é o homem do altar. Você dedicou sua vida não à materialidade. Empenhe-se em que assim seja sua conduta de cristão e sacerdote”.

 

Texto – Sem. Humberto Carneiro
Fotos 
– Pascom de Cubati e Pe. Eude Gomes

Imagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notícia
Imagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notíciaImagem da notícia

Comentários (0)