Plano Pastoral Diocesano

PLANO PASTORAL DIOCESANO – QUADRIÊNIO 2016-2019 clique no link abaixo:
PLANO PASTORAL DIOCESANO 2016-2019

DIOCESE DE CAMPINA GRANDE – PB

PLANO PASTORAL DIOCESANO 2019-2023
“A Comunhão missionária diocesana à luz das Diretrizes da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil”.

Objetivo Geral (CNBB)

EVANGELIZAR, no Brasil cada vez mais urbano, Pelo anúncio da Palavra de Deus, formando discípulos e discípulas de Jesus Cristo, em comunidades eclesiais missionárias, à luz da evangélica opção preferencial pelos pobres, cuidando da Casa Comum e testemunhando o Reino de Deus rumo à plenitude.

PRIORIDADES PARA A AÇÃO PASTORAL, DIOCESANA PARA O PRÓXIMO QUADRIÊNIO.

PILAR DO PÃO / CARIDADE (ANO DA FÉ)

Eram perseverantes […] na fração do pão e nas  orações. (At 2,42)

Entre os primeiros cristãos, a comunhão se expressava principalmente na celebração da Eucaristia. Em que a mesa está no centro da celebração da fé cristã. Esta é sempre ato comunitário, que exige presença, acolhida das pessoas, cuidado e afeto pelos outros. Atento sempre a comunidade eclesial,   como   casa     que nutre seus filhos sustentada pela oração (DGAE 93-95)

Objetivo:

Fazer com que a oração seja a expressão máxima da espiritualidade do seguimento, superando a ideia de que o agir já é uma forma de oração. Exercitar a espiritualidade cristã que se traduz na busca da santidade e alimenta o jeito de ser Igreja

Metas: 

  1. Incentivar a criação da pastoral litúrgica; valorizar o ministério da celebração da Palavra de Deus; cuidar da qualidade do canto litúrgico.
  2. Promover uma liturgia essencial, que não sucumba aos extremos do subjetivismo emotivo, nem tampouco da frieza e da rigidez rubricista e ritualística.
  3. Resgatar a centralidade do domingo como Dia do Senhor por meio da participação na Missa Dominical ou, faltando essa, na Celebração da Palavra
  4. Incentivar a piedade popular; respeitando o ano litúrgico nas suas especificidades, tanto no conteúdo quanto na forma.
  5. Reconhecer que o trabalho dos meios de comunicação social de inspiração católica é um dom de Deus para a Igreja no Brasil.
  6. Zelar pela qualidade da homilia.
  7. Aprofundar, a partir da colaboração da Comissão Diocesana de Liturgia, o Diretório dos Sacramentos.
  8. Simpósio de Teologia: Eucaristia.

PILAR DA PALAVRA (ANO DA ESPERANÇA)

“Eram perseverantes em ouvir o ensinamento dos apóstolos”. (At 2,42)

 “Os Atos dos Apóstolos relatam que a  comunidade cristã se concentrava nas casas como  o seu lugar característico de reunião, ajuda mútua  e do fortalecimento da vivência missionária. A partir do encontro com a Palavra e da experiência da vida fraterna na comunidade, as pessoas são introduzidas no processo de Iniciação à  Vida Cristã. “É preciso ter sempre presente que  toda a Iniciação Cristã é caminho de  conversão. Iniciação à Vida Cristã e Palavra de Deus  estão intimamente ligadas. Uma não pode  ocorrer sem a outra.” (DGAE, 89-90)

Objetivo:

Assumir o caminho de iniciação à vida cristã universalizando o acesso à Sagrada Escritura, por meio da leitura orante da Palavra como o método para o contato, pessoal e comunitário. Priorizar pequenas comunidades eclesiais, ao redor da Palavra.

Metas:

  1. Assumir o caminho de iniciação à vida cristã em nível de diocese, foranias e paróquias
  2. Revisar o dinamismo das comunidades eclesiais missionárias
  3. Assumir a leitura orante da Palavra como o método por excelência
  4. Implantação da Pastoral Familiar a nível de diocese
  5. Maior incentivo a dimensão vocacional
  6. Trabalhar a Pastoral no Campo da Saúde Mental e Afetiva
  7. Utilizar o potencial das redes sociais

CARIDADE: Serviço à vida plena (ANO DA CARIDADE)

Eram perseverantes (…) na comunhão fraterna. (At 2, 42)

“Na fé cristã, a espiritualidade está centrada na capacidade de amar a Deus e ao próximo. Rezar e servir, amar e contemplar, são realidades indispensáveis para o discípulo de Jesus Cristo. Sem oração não existe vida cristã autêntica. Sem caridade, a oração não pode ser considerada cristã. A Igreja reza, em sua liturgia, dirigindo-se ao Pai, recordando que Jesus “sempre se mostrou cheio de misericórdia pelos pequenos e pobres, pelos doentes e pecadores, colocando-se ao lado dos perseguidos e marginalizados. Com a vida e a palavra anunciou ao mundo que sois Pai e cuidais de todos como filhos e filhas” (Or. Eucarística VI – D) ” (DGAE, 102-103)

Objetivo:

A partir da lógica do amor buscar a promoção da cultura da vida, olhando a questão da violência e suas diversas faces, bem como a falta de moradia digna para os pobres, se compadecendo da realidade das migrações em nossa região. Ter um olhar urgente para o incentivo de uma ecologia integral.

Metas:

  1. Promover a solidariedade com os sofredores nas cidades (Pastoral da Criança, Pastoral da Alimentação, Pastoral Carcerária, Pastoral da Promoção da Mulher, Pastoral dos Moradores em Situação de Rua).
  2. Priorizar as ações com as famílias e com os jovens, como resposta concreta aos sínodos da família (2014 e 2015) e  da juventude (2018).
  3. Integrar o contato com a Palavra de Deus.
  4. Desenvolver grupos de apoio às vítimas dos desumanos atos e processos de violência nas suas mais variadas  formas, bem como todos os atentados contra a vida.
  5. Encorajar o laicato a continuar o empenho apostólico, inspirado na Doutrina Social da Igreja; engajamento consciente em todas  as realidades temporais: política partidária, pastorais  sociais, mundo da educação, conselhos de direitos,  elaboração e acompanhamento de políticas públicas, o  cuidado da natureza e todo o planeta.

 

AÇÃO MISSIONÁRIA: ESTADO PERMANENTE DE MISSÃO (ANO DA MISSÃO)

Passando adiante, anunciava o Evangelho a todas as cidades.
(At 8,40)

“Um mundo cada vez mais urbano, embora possa assustar, é, na verdade, uma porta para o Evangelho, e as comunidades cristãs precisam ter um olhar propositivo sobre essa realidade, cientes de que Deus “preparou uma cidade para eles” (Hb11,16). Daí, precisamos perceber que, “se  alguma coisa nos deve santamente  inquietar e preocupar a nossa  consciência, é que haja tantos irmãos  nossos que vivem sem a força, a luz e a  consolação da amizade com Jesus Cristo,  sem uma comunidade de fé que os  acolha, sem um horizonte de sentido e  de vida” (EG, n. 49). Assim, a missão, irradiação da experiência  do amor gratuito e infinito de Deus, supõe  um anúncio explícito da Boa-Nova de Jesus  Cristo. Portanto, para ser missionária, a comunidade  eclesial necessita também se inserir ativa e coerentemente dentre os meios sociais”. (DGAE, 114-118) 

Objetivo:

Em âmbito eclesial buscar criar uma consciência missionaria entre os membros da  comunidade, tocando assim na identidade missionaria da Igreja como um todo. Desenvolvendo uma cultura da proximidade, do  encontro e do diálogo. Dinamizar ações ad gentes e o revigoramento  da experiência das Igrejas-Irmãs.

Metas:

  1. Implantar e aperfeiçoar os Conselhos Missionários em todos os níveis (paróquias e foranias) deve ser  uma meta perseguida por toda a Igreja diocesana.
  2. Promover as Pontifícias Obras Missionárias.
  3. Olhar a Amazônia como um dom de Deus e, por isso mesmo, como uma responsabilidade para todos os  brasileiros, mais imediata para os que lá se encontram, na  certeza, porém, de que somos todos corresponsáveis.
  4. Valorizar a dimensão mariana e outras formas de piedade popular na evangelização e missionariedade da Igreja.
  5. Acolher e concretizar o Ano Missionário com vista para o Jubileu dos 75 anos da Diocese.
  6. Implantação e manutenção da Pastoral do Dízimo em toda Diocese.
  7. Proposta da realização de um censo diocesano (com intuito de mostrar a identidade da Diocese).

 

Assine a nossa newsletter

Junte-se à nossa lista de correspondência para receber as últimas notícias e atualizações de nossa equipe.



You have Successfully Subscribed!